Edição Nº: 4966 - Quinta-Feira, 17 de Julho de 2014.
 
Brasileiros devem se atentar à importância de retirar o PIS/PASEP

Todo cidadão tem seus direitos e deveres. Muitos deles cumprem os seus deveres, no entanto, não vão atrás de seus direitos, às vezes por falta de informação, outras por preguiça. E essa prática acaba fazendo com que as pessoas deixem de receber até mesmo dinheiro, que poderia trazer mais tranquilidade à vida financeira, solucionando alguns problemas e realizando sonhos. Um exemplo disso é o PIS/PASEP, um benefício pago todo ano ao trabalhador com, no mínimo, cinco anos de cadastro no PIS/PASEP, que tenha trabalhado por, pelo menos, um período de 30 dias no ano anterior com carteira assinada e que tenha recebido, em média, dois salários mínimos mensais. Essa quantia equivale a um salário mínimo, mas, ainda assim, muita gente simplesmente não retira esse valor por não saber que tem esse direito ou por não querer ir atrás para saber o que precisa fazer para recebê-lo. Para se ter ideia, mais de 23 milhões de brasileiros têm direito ao abono salarial e, no ano passado, cerca de 1,1 milhão não foram retirar o dinheiro. É importante que as pessoas percebam que não é só uma questão de dinheiro; por trás disso, há, talvez, uma realização pessoal que deixa de acontecer ou um problema que deixa de ser resolvido. O que quero dizer é que essa renda extra traz mais vantagens do que apenas no aspecto financeiro. A mesma ideia vale para a restituição do imposto de renda, programas de solicitação de nota fiscal e ressarcimento de algumas taxas bancárias, ou mesmo o simples gesto de pedir desconto em compras à vista, por exemplo. Isso faz parte do processo de educação financeira da população. Quando ressalto a importância da educação financeira, é porque sei que, dessa forma, as pessoas saem/evitam o endividamento e entendem que esses pequenos valores podem significar a realização de um sonho, seja ele de curto (até um ano), médio (de um a dez anos) ou longo prazo (acima de dez anos).  “Quem não valoriza o seu próprio dinheiro, está, sem dúvida, fadado a fazer parte dos índices de endividamento e inadimplência e, claro, alcançará menos objetivos. É preciso refletir sobre esse assunto, buscar educar-se financeiramente e começar, agora, a correr atrás dos seus direitos”, é o que relata Reinaldo Domingos, educador e terapeuta financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira.


 
< Página Principal 
 
Folha de Quaraí O Jornal da Comunidade
Av. Artigas esq. Fco Carlos Reverbel - Quaraí, RS
Telefone: (55) 3423-5593 - Todos os Direitos Reservados ® 2011 - 2017
Tecnologia Web: Franco Sampaio Tecnologias de Informação